RETROSPECTIVA 2019

O ano de 2019 terminou. Pensando sobre e fazendo uma breve retrospectiva, que tal relembrar aqui os principais acontecimentos envolvendo o meio ambiente?

O ano deu início com o caso de Brumadinho. Com a quebra da barragem de rejeitos iniciou-se uma ameaça a fauna e flora brasileira. Considerado como um crime ambiental e humanitário, o rompimento da barragem foi um dos assuntos mais discutidos pela imprensa local e mundial.

O caso foi aumentando no decorrer dos meses e, até hoje, pessoas que foram soterradas pela lama ainda não foram encontradas. Com o tempo, a lama chegou aos rios prejudicando a fauna marinha e afetando a pesca econômico. O interessante é que, passado uns meses, o desastre foi esquecido. #reflita

Logo depois vieram os agrotóxicos. Com a liberação de mais de 54 agrotóxicos, o Brasil alcançou novos índices quebrando seu próprio recorde. O tempo foi passando e o caso foi tomando proporções mais drásticas. O que mais chamou a atenção foi o caso das abelhas, assunto que já discutimos em nossas redes sociais.

Devido ao uso exagerado de agrotóxicos a morte das abelhas cresceu exponencialmente. As abelhas possuem um papel fundamental na polinização das plantas agrícolas. Sem grande mobilização sobre o assunto, nada foi feito sobre os agrotóxicos. #reflita

O mês de julho foi marcado com o esgotamento anual ultrapassando seu recorde novamente. O planeta Terra atingiu seu limite de recursos naturais mais cedo em toda a sua histórica. Segundo a Global Footprint Network, empresa que calcula sua pegada ecológica no mundo, estimou que para suportarmos esse uso de materiais naturais seria necessários mais dois planetas Terra. A tendência é piorar e atingir essa marca cada vez mais cedo. #reflita

O mês de agosto foi marcado pelo aumento em três vezes mais das queimadas na Amazônia. O fato é tão absurdo que uma das consequências foi uma nuvem de poluição que escureceu uma tarde em São Paulo… e essa é a menor consequência comprada a outras que virão.

Segundo a empresa espacial estadunidense (NASA), a massa cinzenta liberada pelas queimadas podia ser vista pelo satélite orbitado na América do Sul. Um fato que até então, nunca ocorreu. Houve muita comoção por parte do povo brasileiro e mundial sobre o assunto, mas, novamente, sofremos de amnésia coletiva. Nada mais se fala. Assunto já esquecido. #reflita

Por último, mas não menos importante, as manchas de óleo. Durante o mês de setembro de 2019 ocorreu o derramamento de petróleo nas costas e mares do Nordeste. Segundo a Marinha e a Petrobrás, a substância encontrada é petróleo puro e já pode ser localizada em todos os estados nordestinos.

Algumas pequenas medidas para a prevenção já estão ocorrendo. O Instituto de Defesa ao Meio Ambiente em Natal (Idema) já alertou a população para evitar o contato com as manchas encontradas nas praias. O caso ainda está sem solução. #reflita

Por GRAVES consequências causadas pelas ações dos SERES HUMANOS, 2019 foi um péssimo ano para o meio ambiente. Deixamos de cuidar e preservar o nosso planeta… pior, deixamos de LUTAR por ele. Vimos acontecer e esquecemos logo em seguida.

A Revita, através dessa retrospectiva, tem o intuito de incentivar vocês a lutarem por um mundo melhor. Senão por vocês, pelos seus filhos ou filhos dos seus filhos. As futuras gerações irão sofrer as consequências dos nossos atos, então mude antes que seja tarde. #ficaadica

« Voltar ao blog

A Revita

A Revita é uma empresa recicladora de embalagens longa vida pré e pós-consumo que reintegra celulose, alumínio e plástico à cadeia produtiva de diversos segmentos industriais.
É uma desenvolvedora de soluções ambientais. Na Revita tudo sempre fica Novo, de Novo.

Quer receber notícias sobre sustentabilidade, reciclagem, entre outros?

Cadastre aqui seu e-mail!

selo FSC

A Revita possui o selo FSC®️ (Forest Stewardship Council®️ ou Conselho de Manejo Florestal). O rótulo FSC®️ no Revitacel assegura o uso responsável dos recursos florestais do mundo! Clique aqui para fazer o download da nova política FSC.